sábado, 19 de janeiro de 2013

Canção da Moça Fantasma



"Eu nunca fui deste mundo:
Se beijava, minha boca
dizia de outros planetas
em que os amantes se queimam
num fogo casto e se tornam
estrelas, sem irônia.
Morri sem ter tido tempo
de ser vossa, como as outras.
Não me conformo com isso,
e quando as polícias dormem
em mim e foi-a de mim,
meu espectro itinerante
desce a Serra do Curral,
vai olhando as casas novas,
ronda as hortas amorosas
(Rua Cláudio Manuel da Costa),
pára no Abrigo Ceará,
nao há abrigo. Um perfume
que não conheço me invade:

é o cheiro do vosso sono
quente, doce, enrodilhado
nos braços das espanholas.
– Oh! deixai-me dormir convosco."


(do poema Canção da Moça Fantasma de Belo Horizonte, de Carlos Drummond de Andrade in: Sentimento do Mundo).
A fotografia, fi-la na Ilha do Mel, neste janeiro.

Nenhum comentário:

Postar um comentário