sábado, 22 de maio de 2010

'O Olho Imóvel Pela Força da Harmonia'


O título do livro de Wordsworth bem se aplicaria ao festival de imagens visto no festival de Fotografia que encerrou ontem, 21 de maio, o Floripa na Foto. Como não posso falar de todos os meus brilhantes colegas fotógrafos e pensadores, e fotógrafas e pensadoras, refiro ao dia de prática da minha oficina, onde descobri outras pérolas com meus alunos e alunas. Se pensarmos o que pode um pequeno avião contra um ciclone, e a necessidade de sol ante a tempestade, devo dizer que quem esteve às seis da manhã de quarta, viu o sol nascer, o céu abrir, as nuvens feito papel maché feitas à mão refletindo nos tantos de maré deixada, ao lado das coisas postas, após a mesa posta: um pescador e sua tarrafa, aves marinhas, bicicletas e na memória, vagalumes e o desejo de mais tocar. Sabido, desejado, vivido.
Descansemos, mas não nos acalmemos. Isto é o desejo. E que sejamos protegidos das tempestades, jamais das pulsões.
A fotografia que ilustra é de minha aluna Neusa, para a oficina, durante a prática que iniciou naquela madrugada após o ciclone.