quinta-feira, 3 de junho de 2010

É Tudo Verdade


Florianópolis, sonho de consumo e desejo dos gaúchos, paulistas, paranaenses e outros, muda.
E muda sem reclamações: nós, mudos.
O mar toma espaços desmoronando dunas, mas sobre elas já moram casas. Quem autorizou, ninguém sabe. 'Nestas horas, nunca se encontra o culpado', é o que se diz nestas horas. Culpa de quem autorizou indevidamente? Ou de quem ofereceu propina para obter a autorização?
Também, cercas e aterros para o mar não faltam. Queremos morar aqui, mas queremos uma ilha domada. Então, constroem-se aterros, barragens, recursos para humanizar a Ilha. Só que uma Ilha não é humana, ela é de natureza selvagem. Florianópolis é selvagemente linda. Então, o mar segue em seu ir e vir, procurando outros caminhos. Os secretários competentes de coisa nenhuma dão nas rádios suas entrevistas: Está tudo bem... As providências já foram tomadas...
Da mesma forma, as chuvaradas, cíclicas pelas décadas das décadas, estão fixadas especialmente sobre Santa Catarina, já há três anos. Maio já não foi o mês das belas luzes do outono, nem dos ventos terrais, que deixam as imagens tão fotográficas. Sobre o trânsito falarei em outro post, para que este não pese muito.
Creio que no próximo verão, os MCS não terão coragem de dizer que Floripa é o destino mais buscado do Brasil. Será uma mentira insustentável. Entretanto, a Ilha deverá desinchar: muitos perceberão que está se tornando inviável habitar aqui...
Nas fotografias, tomadas da Praia do Campeche e da Praia da Armação.

3 comentários:

  1. O ser humano é egoista e egocêntrico. Pensa que a natureza têm que curvar-se à ele. E quando a tragédia acontece, se exime de culpa, jogando a responsabilidade nos governantes, no destino ou até em Deus.

    Assim caminha a humanidade, rumo ao seu fim...

    ResponderExcluir
  2. Ô, meu Amigo, se formos tão pessisitas sentaremos e aguardaremos o fim... Temos que continuar nos unindo em ONGS, publicando, discutindo nas comunidades e fazendo pressão. Não acabaremos com o planeta, acabaremos com a espécie humana. Acredito que quando o ser humano tão auto centrado se der conta disto, e parece que a ficha ainda não caiu - então fará algo. É que sabemos que vem do alto a destruição, vem de quem tem muita grana. Se se tratasse apenas de reciclar o lixo...

    ResponderExcluir
  3. Querida Maroca: que pena não lermos coisas assim, ao mesmo tempo tão belas e tão precisas sobre o que se passa em Florianópolis, nos jornais da cidade. Seu texto ficou maravilhoso.

    ResponderExcluir